quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Todas as putas poéticas, minhas amigas, são bem-vindas ( ou... Dividindo Orfeu)

Acordes não tocam sem acordar lobos, fadas e bruxas, igualmente.

Por uma outra música
nos meus ouvidos eu vou até o seu sax
que faz
o som que levanta e desata os nossos nós.
E para rompermos histéricas o silêncio da madrugada
com uivos roucos,
nós possuímos as suas cordas também,
barbarizamos você.
Por isso cante calmo, fale calmo, mas sem recitar, não afete,
que um poema afetado é um poema perdido
e não queremos deixar nada cair.
Mas abundância sem juízo
retratos espalhados, reincidências e crimes invictos
não são desperdício.
Sim, assim... um pouco mais lento e profundo, ou breve e eficaz.
Agora passe para o violão, o sol já vem sem blues.

Levante o dia para as possuídas, Orfeu Das Seis...

Um cheiro de mel de abelha e canela
misturou-se com o seu café forte,
que não bebemos bem acordadas: deliradas.
Entredormidas, vamos erguer palavras a partir de agora.
Com alguma prolação.

Então fica combinado assim:
de dia escrevo para arder à noite;

viremos em bando queimar aqui.





Ana Claudia Abrantes

10 comentários:

O Escriba disse...

Bela música. Com muita sonoridade e melodia. Amei a parte do orfeu das seis (ótima) e do acordo feito.

Letícia Palmeira disse...

Gostei de tudo... da combinação das palavras, imagens e sons...

nos meus ouvidos eu vou até o seu sax

o som que levanta e desata os nossos nós.

histéricas o silêncio da madrugada

E mais...

Não vou desatar seu poema porque é pecado. Mas é assim que se faz. Bukowski diz: Deixa virem as palavras. Não fique tentando organizá-las. Elas marcham em filas e se encontram. Sigo sempre este conselho. Gosto de anarquia e palavras fortes. Gosto da nova poesia.

E que não usem poemas afetados.

Beijo.

Lara Amaral disse...

Uau! Bem do jeito que eu gosto.

Giardia disse...

Gostei!!




Um bjo!

Yan Duffs disse...

Olá Anna, meu nome é Yan e sou um jovem amante de poesia e com ambições de ser um verdadeiro poeta um dia. Pelas minhas andanças de blog em blog desse universo paralelo que nós temos a disposição de nossos versos encontrei o seu blog. Achei simplesmente fantastico, uma das melhores coisas entre as muitas que eu tenho lido ultimamente na internet. O poema que eu mais gostei foi o "nó na garganta" mas todos são fantasticos e me enchem de esperança de um dia escrever assim. Venho te parabenizar pelo blog sensacional e belissimos poemas e pedir pra se vc puder ler alguns dos meus, quem sabe dar até umas dicas ... seria uma honra. Vou por seu blog na divulgação do meu tem problema ? Espero que não, gostaria que emus raros leitores compartilhassem do encanto que senti pelos seus poemas. Beijos. Até a proxima.

anna apolinário disse...

Ferocidade onírica...
Poesia!!!

bjos
Anna

barbara-ella disse...

Querida, sinto-me recompensada por ouvir seu poema em minha mente... Seus versos ecoam em minha realidade/fantasia... ShoW!! Vivamos a liberdade, histéricos!!!! AUUUUUUUUUUUuuuuuuuuuuuu

Pia Fraus disse...

digerindo todas as mentiras verossímeis desse post!

bjo

Ana Claudia disse...

... ficção não é mentira... :-)

Ana Claudia disse...

... e "mentiras sinceras me interessam".