sexta-feira, 17 de setembro de 2010

imagem

pedras de papel marchê
quando se quebram
viram flores.





Ana Claudia Abrantes

5 comentários:

Rodrigo Passos disse...

lindo isso, o poder da transformação nunma forma tão unica de sentir a poesia!!!

Angélica Lins disse...

O pouco que tudo diz, adoro isso.

Beijos, meus.

Letícia Palmeira disse...

Sim. Poesia crônica que diz muito.

Gosto bastante de seu novelo, Ana.

Pia Fraus disse...

Suspiro!!
Sempre me surpreende!


bjo

Barbara Jovanholi disse...

Coisa mais linda!
A-Do-REI!
...E concordo coma a Angélica. O pouco td diz.

Bjokas