domingo, 7 de dezembro de 2008

Desvio

O poema
no caminho certo protocolado fica até bem, mas pálido. Cacofônico e despetalado tem mais o gosto da tragédia que sigo, ágrafa. Meu caminho é o erro.


Ana Claudia Abrantes

2 comentários:

Nilson Barcelli disse...

O que eu penso de ti,
não és tu, és outra,
diferente do que os outros pensam.
És um erro variável, com um desvio
à verdade indemonstrável.

Diria eu, à guisa de comentário às tuas palavras.

Beijinhos.

Ana Claudia disse...

Oi, Nilson!

Quanto aos desvios,
que bons caminhos errados o trazem aqui!

Beijos,
Ana Claudia