segunda-feira, 14 de julho de 2008

Gramática ou poesia? Uma questão.

Os advérbios de tempo carregam noções diversas.
O "agora" acorda todos os sentidos e suas urgências. Ele vem como vai, depressa. É um tempo que não existe porque se consome naquilo que consome.
O "ainda" é a angústia da demora. O bom que ainda não veio, o mau que ainda não terminou.
"Nunca" é peremptoriamente o não. Redondo. Enquanto que o "sempre" é a eterna delicadeza do sim: a cor branca, a letra a, a porta aberta. Ambos, no entanto pecam pela presunção.
Mas essa aula de gramática não existe, talvez seja "só" poesia...

(Uma anacrônica pensando a vida. E os poemas seguem...)

Um comentário:

Fabrício Sguissardi Basso disse...

Que definições impecavelmente belas.