segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Rosa de pedra

Giovanna é uma rosa de pedra. Ela não tem sede. Como rosa é rainha, e como pedra é retesada. Giovanna é dura como a mais bela não poderia e, como pedra, ela teme a água. Teme o lume que dela a água faria: rosa fraca desfolhada. Botão hidrofóbico encharcado não se abre ou, se abre, quebra. Rosa quase verde, quase cálida, rosa sem jardim. Giovanna com água é pedra em genuflexão e, porque se inclina, perde sua natureza excêntrica de pedra. Uma pedra não se rende, Giovanna.

Giovanna não sabe que eu tenho sede. Uma sede infinita e ancestral. Não sabe que amor e água são a minha inteira natureza. E que todas as criaturas do mundo têm sede na minha memória.

Giovanna molhada chora. Ela está morrendo agora, bem na minha mesa, de tanto amor que eu lhe dei.

Ana Claudia Abrantes

12 de janeiro de 2009

6 comentários:

Tito disse...

Absolutamente perfeito.

:: Soul Sista :: disse...

Maravilhoso, Aninha!!!!!

Ana Claudia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Oicírbaf disse...

Puuuuuta que pariu...desculpa o palavrão...me fizeste chorar...lindo...lindo demais!!!!!!! Tou lendo e relendo em voz alta...e são 3 da manhã...como é bom encontrar um tesouro de madrugada!!!!!

Ana Claudia disse...

Palavrão com poesia? A-do-ro!

Carina B. disse...

Pedra no rio, banhada pela água, também corre.

Adorei teu comentário no meu blog, adorei esse texto e adorei teu blog tb. :)

Um beijo!